Edson Lopes, diretor geral da FlixBus no Brasil: “A operação dos ônibus é de responsabilidade dos parceiros, enquanto a FlixBus usa sua expertise tecnológica em precificação, marketing e vendas, inteligência de rotas, gestão de qualidade e expansão contínua de produtos”

“A principal diferença da FlixBus para as outras empresas é a combinação de startup tecnológica, plataforma de e-commerce e empresa de transportes”, detalha o executivo

Technibus – O senhor poderia apresentar brevemente a FlixBus?

Edson Lopes – A FlixBus é uma empresa operadora de rotas rodoviárias controlada pela empresa alemã FlixMobility. Desde que surgimos, em 2013, estamos transformando a maneira como milhões de pessoas viajam em 37 países. A empresa possui um modelo de negócios em que a operação dos ônibus é de responsabilidade dos parceiros, enquanto a FlixBus usa sua expertise tecnológica em precificação, marketing e vendas, inteligência de rotas, gestão de qualidade e expansão contínua de produtos.

Technibus – Como será a atuação da FlixBus? As operações começarão em dezembro?

Edson Lopes – As passagens serão vendidas tanto no nosso site e pelo aplicativo quanto nos pontos físicos do Grupo Adamantina, parceiro da FlixBus aqui no Brasil, conforme a legislação determina. De forma digital, o nosso cliente escolherá a data, o destino, o número de viajantes e verá as opções disponíveis. Após a escolha, o cliente poderá pagar por cartão de crédito e em seguida imprimir sua passagem ou simplesmente baixar o QR code no seu celular, que será escaneado na hora do embarque.

Technibus Qual a diferença da FlixBus em relação a outras empresas que prestam um serviço semelhante, como a Buser?

Edson Lopes – São modelos diferentes de negócios. Nós operamos linhas regulares com nossos parceiros e temos o sistema de compartilhamento da receita com os operadores. A principal diferença da FlixBus para as outras empresas é a combinação de startup tecnológica, plataforma de e-commerce e empresa de transportes. Enquanto a FlixBus garante a otimização das vendas, marketing e atendimento ao cliente, as empresas de transporte podem se dedicar ao gerenciamento de escalas de motoristas e manutenção dos veículos, por exemplo. Na outra ponta, a queda nos custos reflete no preço das passagens, beneficiando o consumidor final.

Technibus – A FlixBus já fechou parceria com empresas do setor? Quais? Como funcionarão essas parcerias?

Edson Lopes – Até o momento temos a parceria com o Grupo Adamantina, que se dedica ao transporte rodoviário de passageiros e fretamento empresarial e turístico. Sediado na cidade de Dracena, no extremo Oeste do Estado de São Paulo, está presente em mais de 50 destinos em nove estados do Brasil. Desde 2014 sob a gestão de Clóvis Nascimento Martins, a empresa adotou uma visão empreendedora e antenada com o futuro, dando início a uma grande transformação com foco na excelência no atendimento ao cliente. Com tradição de mais de 60 anos no mercado, o grupo segue em constante processo de transformação, investindo em tecnologia e renovação da frota.

A parceria funcionará da seguinte forma: a FlixBus garante a otimização das vendas, marketing e atendimento ao cliente, as empresas de transporte podem se dedicar ao gerenciamento de escalas de motoristas e manutenção dos veículos.

Technibus – Como o senhor avalia o mercado brasileiro? Mesmo com a queda nas viagens por ônibus, a FlixBus espera bons resultados em 2022?

Edson Lopes – Acredito que a FlixBus terá ótimos resultados em 2022. O Brasil é uma das maiores economias do mundo e um país de tamanho continental, com grande locomoção interna de pessoas. Para uma empresa com aspirações globais, precisamos estar neste mercado, que gira em torno de 60 milhões de passageiros por ano. Esse número fala por si só. Acreditamos também que podemos contribuir com a nossa expertise global com o processo de abertura de mercado aqui no Brasil, trazendo inovação, comodidade, segurança e o nosso DNA verde e ecológico para as estradas do país.

Leia também: FlixBus inicia atividades no Brasil

Por