Mais tecnologia e integração

Região metropolitana de Florianópolis passa a contar com um novo sistema de bilhetagem que integra diferentes municípios, possibilitando que os passageiros utilizem um único cartão

Márcia Pinna Raspanti

As empresas operadoras do sistema de transporte coletivo urbano da região metropolitana de Florianópolis, em Santa Catarina, se uniram para implementar o projeto Grande Floripa+ Integrada. Para viabilizar a iniciativa, foi criada a Associação Metropolitana das Empresas de Transporte Coletivo de Passageiros da Região Metropolitana da Grande Florianópolis (Metropolis), formada pela Biguaçu Transportes Coletivos, Jotur Auto Ônibus Josefense e Rodoviária Santa Terezinha, que são responsáveis por 80% das linhas metropolitanas da região.

“A criação da associação, além da coordenação de todo esse projeto, irá permitir uma maior identidade desse grupo de empresas, bem como permitirá que, por meio da sua atuação possa dar maior representatividade ao setor, além de poder atuar, junto ao poder público, na reflexão e proposição de políticas públicas que visem a melhoria do sistema de transporte público de passageiros em nossa região”, afirma Léo Mauro Xavier Filho, presidente da Biguaçu Transporte Coletivos e diretor da Metropolis.

“A Biguaçu, como uma das maiores em atuação no contexto metropolitano da nossa região, propôs às demais empresas operadoras desse sistema, face à necessidade de evolução da tecnologia, bem como à necessidade de se adaptar às mudanças advindas da própria pandemia, uma ação capaz de melhorar a experiência do usuário do transporte, notadamente quanto à possibilidade de novos deslocamentos, como também de poder pagar sua tarifa nas mais diversas modalidades tecnológicas hoje existentes. Surgiu assim a ideia do projeto Grande Floripa+Integrada”, conta Xavier Filho.

O projeto abrange os municípios de Biguaçu, São José, Palhoça, Pedro Alcântara, Governador Celso Ramos, Antônio Carlos, Angelina, Rancho Queimado e Águas Mornas. A base para a modernização do sistema de transporte coletivo da região metropolitana de Florianópolis é a tecnologia da Tacom, escolhida para fornecer a bilhetagem eletrônica e diferentes soluções ligadas à mobilidade. “A operação foi iniciada, agora, em junho de 2021. É uma implantação gradual, começa pela bilhetagem, depois será implantado o sistema de georreferenciamento, gestão de frota e informação ao usuário. Na próxima etapa, serão disponibilizados telemetria e sistema de monitoramento de vídeo embarcado”, conta Marco Antônio Tonussi, diretor da Tacom. 

Xavier Filho destaca que a mudança no escopo tecnológico do sistema da região foi possível devido à parceria com a Tacom, que permitiu essa nova abordagem. “As principais vantagens da nova tecnologia são: a possibilidade de integração de viagens, permitindo ao usuário novas possibilidades de deslocamento e a possibilidade do pagamento da tarifa através de várias formas, tais como cartão de crédito, cartão de débito, PIX, QR Code, facilitando assim o acesso das pessoas ao transporte coletivo”, enfatiza Xavier Filho.

Segundo Tonussi, a empresa implementou o sistema CITbus de ITS (sistemas inteligentes de transporte) completo, com sistema de bilhetagem eletrônica (CItsbe), reconhecimento facial (Citimage), pagamento via QR Code (Citqrcode), rastreamento e gestão de frota (CITgis), informação ao usuário (CITsiu – Siu Mobile), filmagem embarcada (Buszoom) e telemetria. Também será implantada a função de bilhetagem online e data-center em cloud (nuvem).

O sistema já está adequado à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGBD). Para o pagamento das tarifas, há a possibilidade do uso do aplicativo KIM como carteira virtual e do wallet digital. Além da inovação tecnológica, o projeto também incluiu a criação do cartão metropolitano, pelo qual o usuário terá acesso a todo o sistema intermunicipal com um único cartão, permitindo assim, seu deslocamento com maior facilidade.

O cartão de transporte poderá ser utilizado em todas as cidades que integram o Grande Floripa+Integrada e os usuários poderão realizar integração entre as empresas operadoras. No momento, a população está realizando a troca dos cartões. “Estamos com toda a estrutura necessária afim de que esse processo se dê da forma mais rápida, segura e cômoda ao usuário”, informa Xavier Filho.

De acordo com Roberto Sganzerla, especialista em marketing em transporte e mobilidade urbana, e responsável pela criação e plano de marketing do projeto, o Grande Floripa+Integrada e o cartão metropolitano seguem as melhores práticas de comunicação e marketing em mobilidade urbana. “O cartão metropolitano tem um único layout, deixando os dados variáveis apenas no verso, sendo desnecessária a utilização de fotos e a criação de diversas categorias de cartões, de uma vez que a aferição das gratuidades será feita pela biometria facial e não mais de modo manual”, comenta.

A logomarca do projeto foi inspirada na silhueta da ponte Hercílio Luz e na geografia dos morros da região. O projeto Floripa+Integrada foi desenvolvido com base no conceito de MaaS (Mobility as a Service) e prevê também o transporte por demanda.

Tecnologia

As melhorias no sistema de transporte da região metropolitana de Florianópolis foram possíveis graças às inovações do sistema de bilhetagem eletrônica online. A bilhetagem na nuvem se torna cada vez mais comum nas cidades brasileiras, possibilitando uma série de novas funcionalidades. A tecnologia traz vantagens para as empresas de transporte como redução de gastos com pessoal e infraestrutura, mais segurança, maior controle das operações, mais opções em meios de pagamento, maior rapidez no acesso às informações e dados, a integração das soluções e a redução de fraudes. Para os passageiros, traz praticidade, melhoria dos serviços e mais opções de pagamento.

Segundo a Tacom, com a ampliação da comunicação dos validadores do sistema CITBus, a bilhetagem online possibilita o envio e processamento online dos logs da bilhetagem e das diversas listas que devem ser embarcadas. As informações que são disponibilizadas online permitem que os gestores e operadores do transporte recebam informações e relatórios, tais como número de passageiros embarcados em uma viagem, faturamento da viagem, por meio de relatórios e consultas de forma mais rápida. A carga a bordo dinâmica para cartões usuários, o bloqueio e desbloqueio dos cartões de usuário de forma online são outros recursos da nova tecnologia.

A solução permite o pagamento de passagens no transporte público por QR Code, pelo validador pela câmara frontal na utilização nos ônibus ou em um leitor localizado na parte inferior do validador de bloqueio estação. É possível substituir o pagamento de passagens por cartões unitários de transporte nas estações e terminais por QR Code impresso em papel. Outra característica da solução é o pagamento da passagem pelo aplicativo credenciado com a geração do QR Code na tela do smartphone. O validador reconhece apenas o código que é gerado pelo sistema da Tacom.

De acordo com a Tacom, o armazenamento físico está sendo substituído por uma nova arquitetura chamada cloud computing, baseada principalmente no grande desenvolvimento da internet. A computação em nuvem reduz os custos de infraestrutura e proporciona maior adaptabilidade, recuperação completa da perda de dados e minimização do tempo de inatividade. Uma infraestrutura de cloud computing também permite que o provedor de conteúdo ou serviços na nuvem dispense a instalação de qualquer tipo de software, já que isso é fornecido pelo provedor da infraestrutura ou da plataforma de nuvem. Neste sentido, a Tacom está disponibilizando uma nova versão de seu sistema CITbus que possibilita a utilização dos recursos em nuvem.

Por