Enel X quer ampliar a mobilidade elétrica urbana no Brasil

Companhia busca se consolidar como um agente impulsionador da eletromobilidade no Brasil, com base em projetos já implementados em países como Chile e Colômbia

Márcia Pinna Raspanti

Enel X é a linha de negócios global da Enel que atua no setor de soluções de energia avançada, gerenciando serviços como resposta à demanda de mais de seis GW de capacidade total em nível global e cerca de 116 MW de capacidade de armazenamento instalada em todo o mundo. No setor de mobilidade elétrica, conta com mais de 170 mil pontos de carregamento de veículos elétricos públicos e privados.

No Brasil, os projetos mais avançados no transporte público estão em São Paulo (SP) e Salvador (BA), e tem importantes experiências no Chile e na Colômbia. “Hoje nossa estratégia na área de mobilidade elétrica urbana é de ser um impulsionador, de trazer todo esse conceito em prol de construir projetos interessantes no Brasil. Então, vamos olhar os erros e acertos – o que é natural em iniciativas dessa magnitude. Estamos começando a ganhar uma relevância muito grande no mercado da América Latina”, comenta Carlos Eduardo Cardoso de Souza, responsável pela área de Business to Government da Enel X.

Em Santiago, no Chile, a empresa administra uma frota de 450 ônibus elétricos da BYD, que têm autonomia de 250 quilômetros. “É uma parceria envolvendo o governo chileno, os operadores, a Enel X e o fabricante dos veículos. Esse modelo de negócios é muito interessante, porque começa a ser construído a várias mãos. Iniciamos há cerca de três anos com uma frota pequena como piloto. Depois, expandimos para 100 ônibus elétricos, depois para 180, numa segunda fase. E agora chegamos aos 435. Avaliamos qual a extensão do trajeto, qual o tipo de percurso, qual a inclinação, qual a tecnologia de recarga é mais adequada”, conta Souza.

Na opinião de Souza, um ponto interessante desse modelo do Chile é a garantia financeira do governo. “Há um arcabouço que favorece o incentivo da mobilidade elétrica”, destaca. A proposta da empresa é ampliar sua atuação no Brasil e, para isso, quer construir soluções de acordo com a realidade do transporte coletivo do país, tomando como base projetos já em funcionamento em Santiago e em Bogotá, na Colômbia.

“Pensando no Brasil, o modelo incluiria: o fornecimento do ônibus elétrico adequado à cidade, frota movida 100% a bateria, adequação da garagem, toda a infraestrutura de energia necessária, infraestrutura de recarga, incluindo os carregadores e a plataforma de recarga para a manutenção preditiva, preventiva, e integração com a telemetria dos ônibus”, resume Souza.

“O que o cliente vai pagar? Um valor mensal pela prestação de serviços. Quando se compara esse valor mensal do elétrico com a solução tradicional de diesel, você tem uma rentabilidade melhor e uma viabilidade financeira melhor, ou seja, caberia no bolso do que você já tem hoje. Não mudaria o que está sendo pago pelo município ou pelo órgão estadual ao operador. É esse o exercício que a gente tem feito no Brasil”, argumenta Souza.

COLÔMBIA-

Em janeiro, a Enel X, conquistou um contrato do sistema de trânsito rápido de ônibus Transmilenio de Bogotá para fornecer 401 ônibus totalmente elétricos ao Sistema Integrado de Transporte Público da capital colombiana (SITP) e dois eletroterminais novos para seu carregamento. Esta concessão, posterior ao acordo assinado no final de 2019 com a SITP para a construção de quatro eletroterminais em curso, elevou para cerca de 900 o número de ônibus elétricos servidos pela Enel X em Bogotá. Este contrato eleva o número de ônibus elétricos administrados pela companhia globalmente para quase 1,4 mil. 

Os ônibus elétricos, fabricados pela BYD e com entrega prevista entre o final de 2021 e o início de 2022, serão equipados com câmeras de segurança, wi-fi e hubs de recarga USB. Os dois eletroterminais, que devem estar em funcionamento entre novembro de 2021 e abril de 2022, serão construídos em duas áreas diferentes de Bogotá (Usme e Fontibon) e incluirão, aproximadamente, 200 carregadores e-bus. 

Essa iniciativa se enquadra nas ações mais amplas que a Enel X está realizando para impulsionar a mobilidade elétrica no transporte público. Além dos projetos no Chile, Colômbia e Brasil, a Enel X está implementando outras iniciativas de e-bus no Peru (Lima), Uruguai (Montevidéu), Estados Unidos, Espanha (Barcelona) e Itália. 

Por