Frédéric Ollier, vice-presidente América Latina para a unidade de ônibus da BlaBlaCar: “O compartilhamento tem conquistado o gosto dos brasileiros”

“Nosso objetivo é alcançar R$ 10 milhões em vendas por mês, no final de 2021, além de chegarmos à marca de 150 empresas de ônibus parceiras, todas integradas e disponíveis na plataforma para a venda online também até o final de 2021”, conta o executivo

Technibus – Em outubro de 2020, a Blablacar lançou oficialmente a plataforma de venda de passagens de ônibus no Brasil. Como tem sido a aceitação dos passageiros?

Frédéric Ollier – Esse modelo de operação tem sido um sucesso, especialmente para o público brasileiro. Atribuímos esse resultado não só à relevância do Brasil entre os mercados em que a BlaBlaCar atua, como especialmente pela grande demanda reprimida que o país ainda apresenta em diversos trechos, o que é facilmente solucionado pela oferta de passagens de ônibus. Essa soma de fatores, aliada à inovação tecnológica, foi a chave para os ótimos resultados que estamos colhendo. Foram mais de 60 mil passagens vendidas desde o lançamento e uma receita média mensal de R$ 85 mil só neste ano. Hoje, já são 65 viações parceiras oferecendo mais de dois milhões de assentos via plataforma de marketplace da BlaBlaCar. Disponibilizamos mais de sete mil rotas pelo Brasil inteiro e continuamos crescendo, com cerca de 300 empresas de ônibus já em negociação, interessadas em fazer parte do nosso marketplace. 

Technibus – Quais regiões têm apresentado maior demanda no marketplace?

Frédéric Ollier – Atualmente, as campeãs em vendas pelo nosso marketplace são as regiões sul e sudeste, que juntas representam cerca de 98% das passagens vendidas. Na região sul, que concentra em média 82% das vendas, o destaque fica para o Rio Grande do Sul, que representa 44%, seguido por Santa Catarina, 24%, e Paraná, 14%.  Apesar de vendas mais tímidas nas demais regiões, Nordeste e Centro-Oeste também se destacam por concentrarem cerca de 35% das rotas de ônibus disponíveis em nosso marketplace.

Para se ter uma ideia, as companhias parceiras que mais venderam em abril de 2021 em nosso marketplace foram Unesul (que atende mais de 400 municípios entre RS, SC e PR), Nordeste (que atende especialmente RN e PB) e Ouro e Prata (que atua em mais de 200 cidades no PA e RS). Ou seja, conseguimos atender hoje grandes regiões do país, com uma capilaridade considerável de trechos e oportunidades de preços mais acessíveis.

Technibus – Já é possível fazer a reserva dos dois modais pela plataforma (ônibus e carona)?

Frédéric Ollier – Hoje atuamos apenas com a multimodalidade e ainda não com a intermodalidade. A BlaBlaCar é a primeira plataforma com proposta multimodal, agregando no mesmo produto o carro e o ônibus. No sistema de busca do usuário, a plataforma exibe, para o mesmo trecho, tanto as opções de caronas disponíveis quanto as opções de rotas para a compra de passagem de ônibus. Os resultados da busca aparecem em abas diferentes e as reservas de caronas ou compras de passagens ainda são separadas (sem intermodalidade). Ao escolher a compra de passagem, o passageiro inserirá suas informações, escolherá o assento e pagará pela passagem. No dia da viagem, basta ir à rodoviária e embarcar diretamente no ônibus com o QR Code ou imprimir a passagem no guichê previamente.

Technibus – Como a pandemia afetou os negócios da empresa? E especificamente no market place para passagens de ônibus?

Frédéric Ollier – O ano de 2020 foi, sem dúvida, muito desafiador, especialmente para o setor de transportes, fortemente afetada pela queda de movimentação de passageiros e viagens a lazer. Na BlaBlaCar, chegamos a registrar uma queda de cerca de 50% nas atividades logo no início da crise no Brasil, em meados de março do ano passado, mas desde maio de 2020 temos observado uma retomada gradual. Fechamos o ano com um aumento de 6% no número de assentos oferecidos em caronas. Entendemos que essa leve recuperação é atribuída principalmente a dois fatores: o fato dos condutores oferecerem caronas nas viagens que fariam de qualquer maneira, com ou sem passageiros, de modo que fica mais natural a resiliência das caronas, e pelo fato da BlaBlaCar já estar em expansão antes mesmo da pandemia, um movimento que se intensificou no país mesmo na crise devido às demandas de viagens essenciais, seja para quem trabalha em serviços essenciais ou para quem precisa cuidar de uma pessoa em outra cidade.

No negócio de ônibus, dados da Artesp mostram que o setor foi duramente impactado pela pandemia no ano passado, não somente em queda de receita, de quase 90% entre março e junho, mas também em número de passageiros (60% a menos) e de pessoal (25% dos condutores foram demitidos). A associação mostra que o ano fechou com uma redução de 44% das viagens no maior terminal rodoviário do Brasil, o terminal Tietê, ratificando o impacto negativo da crise especialmente para as viagens de ônibus. No entanto, a BlaBlaCar conseguiu alcançar um bom desempenho na operação de ônibus aliada à inovação tecnológica e atingiu um crescimento semanal de 40% a 50% nas vendas de passagens via aplicativo em dezembro. Com a projeção de retomada das viagens de ônibus e de carro no país no curto e médio prazos, a expectativa é mantermos o crescimento do nosso marketplace de ônibus, agregando novos parceiros e nos posicionando ainda mais como aliados na reinvenção digital das empresas de ônibus no Brasil.

Technibus – Quais as expectativas da empresa para os próximos dois anos?

Frédéric Ollier – As expectativas a médio prazo na operação de marketplace de ônibus são as mais positivas possíveis, considerando a leve retomada no setor de transportes.  Nosso objetivo é alcançar R$ 10 milhões em vendas por mês, no final de 2021, além de chegarmos à marca de 150 empresas de ônibus parceiras, todas integradas e disponíveis na plataforma para a venda online também até o final de 2021.

Technibus – Como o senhor avalia o transporte compartilhado no Brasil? O brasileiro já se adaptou a essa nova forma de viajar?  

Frédéric Ollier – Eu diria que o Brasil vem encarando as caronas compartilhadas de forma bastante positiva nos últimos tempos e segue a tendência mundial de crescimento da economia compartilhada como forma sustentável de otimizar recursos. Hoje, o Brasil é o terceiro maior mercado no mundo em termos de volume de viagens na plataforma BlaBlaCar e onde o aplicativo mais cresceu nos últimos anos, com mais de oito milhões de usuários e aproximadamente 30 mil pares de rotas de caronas e mais de sete mil trechos de ônibus intermunicipais e interestaduais. O compartilhamento tem ganhado o gosto dos brasileiros e hoje faz parte do cotidiano de muitos usuários que estudam ou trabalham em outra cidade ou que visitam familiares e amigos, além dos momentos de lazer. Acredito que o cidadão brasileiro já se adaptou a essa forma de viajar, mas ainda há um enorme potencial de crescimento das caronas e também das viagens de ônibus, considerando as projeções pós-pandemia por viagens locais e nacionais e a possibilidade de rotas mais econômicas e com mais interações sociais ao se permitir conhecer novas pessoas ao longo do trajeto.

Por