Goiânia inicia implementação de novo modelo de bilhetagem

Com tecnologia da Prodata Mobility Brasil, o sistema passa a contar com diversas funcionalidades como biometria facial e recarga a bordo, que entram em operação já na primeira etapa do projeto

Márcia Pinna Raspanti

A partir de 23 de janeiro, o sistema de transporte coletivo de Goiânia e região metropolitana começa o processo de modernização das soluções de bilhetagem, com equipamentos e softwares da Prodata Mobility Brasil. As primeiras funcionalidades que o passageiro terá acesso são: a biometria facial, que será válida neste primeiro momento, apenas para os idosos, e a recarga de créditos no cartão a bordo dos veículos.

No decorrer do primeiro semestre, o sistema passará a oferecer outras formas de pagamento da passagem, como o pagamento via cartão de crédito e de débito sem contato, QR Code e por meio de carteira virtual ou pagamento baseado em conta (ABT). O projeto foi viabilizado por meio de um empréstimo bancário firmado pelo RedeMob Consórcio em 2019.

Os usuários não precisarão trocar seus cartões atuais, nem realizar novo cadastro. Todos os 1,6 milhões de cartões continuarão a ser normalmente aceitos. A migração tecnológica irá impactar cerca de 500 mil pessoas, considerando a movimentação fora do cenário de pandemia, que fazem uso diário do serviço, localizadas na região metropolitana de Goiânia.

“Todo investimento em tecnologia que melhore o acesso ao serviço e geração de dados é bem-vindo. O transporte é essencial às cidades e o usuário precisa de facilidades para deslocar. A Companhia Metropolitana do Transporte Coletivo (CMTC) acompanhou todo esse processo e validou as ações”, avalia Murilo Ulhôa, presidente da CMTC. 

O projeto desenvolvido pelo RedeMob Consórcio, com o apoio da Companhia Metropolitana do Transporte Coletivo (CMTC) e do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano e Passageiros da Região Metropolitana de Goiânia (SET), será a base para a evolução de políticas públicas no transporte público coletivo da grande Goiânia. 

Segundo o consórcio, quando finalizada a implantação do projeto no decorrer de 2021, além de oferecer maior conveniência aos clientes, agregar novas formas de pagamentos e facilitar os deslocamentos pelas cidades, o sistema vai contribuir com o planejamento operacional nas respostas das complexas perguntas sobre o desenho da rede e contribuir na mitigação da evasão de receita.

Para o diretor executivo do RedeMob Consórcio, o setor de transporte público coletivo necessita se adequar às necessidades operacionais e às expectativas dos clientes. “A tecnologia não para de evoluir e veio para somar nesta nova transformação. Com a implantação, abrimos possibilidade tecnológica para que o bilhete único venha a ser implantado em um futuro próximo”, afirma.

Os motoristas e atendentes de bilheterias também foram treinados para operar o novo equipamento, com foco principalmente na resolução de possíveis problemas e encaminhamentos junto aos clientes durante a operação.

Processo de migração

A partir de 23 de janeiro, o cliente deverá apresentar o seu cartão Sitpass no novo equipamento – o antigo será desligado e retirado gradativamente de dentro dos ônibus. Neste primeiro momento, e somente neste, a leitura do cartão será mais demorada (cerca de dez segundos) porque o sistema estará migrando automaticamente todas as informações gravadas dentro do cartão.

A coleta de foto para o cadastro inicial dos passageiros da terceira idade será realizada pela própria máquina ao ingressar em um terminal ou dentro do ônibus, na hora do embarque, e levará também apenas alguns segundos. A câmera coleta a foto que fica temporariamente armazenada no validador do ônibus e, quanto este chega na garagem, o arquivo de imagem é descarregado para o servidor.

Em um momento posterior, após a descarga dos dados do veículo na garagem, a tecnologia da biometria fará o cruzamento da foto capturada no momento do embarque com a foto do cadastro daquele cartão. Em caso de divergência, esta foto é enviada para inspeção visual e análise da ocorrência. Diante do atual momento, a tecnologia já está preparada para análise de fotos dos clientes com uso de máscaras.

Para o cliente que efetuar a compra pela internet, ou que recebe créditos de vale-transporte, já poderá contar com a liberação dos seus créditos para recarga no cartão em todos os validadores dos ônibus e terminais. Esta recarga acontecerá automaticamente quando ele apresentar o seu Cartão Fácil no novo validador.

Fraudes

O novo modelo de bilhetagem eletrônica também vai trazer garantia de maior segurança contra fraudes. Os cartões comunicados como roubados ou extraviados pelos clientes poderão ser imediatamente bloqueados através da atualização automática da “lista vermelha” em todos os validadores em ônibus e terminais, que estarão online. Para se ter uma ideia, o atual sistema necessita importar, diariamente, de três mil a cinco mil cartões para a lista vermelha, conforme o resultado das auditorias de uso indevido de produtos tarifários dotados de benefícios, obrigando o rodízio dos registros dos cartões na lista.

A operação online dos equipamentos embarcados dentro dos ônibus permitirá o check automático do cartão, no momento da sua validação, uma forma muito mais eficiente de se evitar a fraude.

Políticas públicas

De acordo com o RedeMob, o novo sistema de bilhetagem poderá absorver novas políticas tarifárias e de integração, que dependem de políticas públicas. Um exemplo seria a criação de tarifas diferenciadas para produtos específicos, determinados horários, dias e rotas, de forma a incentivar o uso nestes períodos e melhorar a taxa de ocupação da frota. Também já será possível tecnologicamente a integração de base temporal e espacial, nas diferentes linhas existentes na Região Metropolitana de Goiânia, quer sejam da mesma empresa de ônibus ou de empresas diferentes, com a utilização do cartão, permitindo as transferências em qualquer ponto da rede de transporte, com ou sem complementação de tarifa.

Por