Felipe Gulin, CEO da Arca Mobility as a Service: “Para nós, o foco é o desenvolvimento de soluções tecnológicas que auxiliam as operadoras de transporte a se tornarem cada vez mais competitivas e atraentes, aperfeiçoando sua jornada digital”

“Estamos investindo muito e pretendemos chegar a marca de 250 empresas parceiras até o final de 2022 cobrindo todo o território nacional e, brevemente, expandir para a América Latina”, conta o executivo

Technibus – O senhor poderia fazer uma breve apresentação da Arca Mobility as Service? Quais suas principais áreas de atuação?

Felipe Gulin – A Arca Mobility as a Service é uma empresa de tecnologia especializada no desenvolvimento de soluções digitais com foco na mobilidade do usuário. Nós atuamos na área da tecnologia e transportes com o objetivo de conectar origens e destinos do mundo transformando o setor de mobilidade, apoiando as operadoras de transporte em seus desafios e na sua jornada digital. As soluções tecnológicas desenvolvidas por nós contribuem para tornar as operadoras mais competitivas e atraentes para os seus clientes e, dessa forma, atrair e reter seus passageiros.

Nossas ferramentas disponíveis ao mercado são: a plataforma Embarca, que conecta clientes, operadoras e motoristas; o marketplace para venda de passagens Embarca.Ai; o aplicativo desenvolvido para auxiliar os motoristas Embarca.M; e o sistema para gestão de encomendas Embarca.E.

Technibus – Quais os diferenciais da empresa?

Felipe Gulin – Com o auxílio da tecnologia, nós ajudamos na tomada de decisão de mobilidade das pessoas, oferecendo aos clientes uma experiência focada no digital. A empresa reúne tecnologia e inovação, aliados ao conhecimento de mercado das operadoras. Nosso objetivo é continuar levando tecnologia e funcionalidade prática para a vida do usuário, por isso oferecemos ao cliente um ambiente seguro e eficiente em todo processo de navegação, sempre cuidando da sua jornada. 

Um dos diferenciais da plataforma é o aplicativo, em que os clientes têm acesso a conteúdo e entretenimento, wi-fi gratuito, acompanhamento em tempo real do deslocamento com mapa e previsão de chegada. Para maior segurança e facilidade na hora do embarque, o sistema conta também com reconhecimento facial. A experiência nos ônibus que compõem a parceria entre as operadoras também está padronizada. Todos os veículos possuem poltronas com maior espaço para as pernas, equipadas com tomadas individuais para entrada USB, além de uma pintura moderna. Além disso, a empresa desenvolveu a precificação inteligente, que com o uso do machine learning no cruzamento de dados, analisa de forma eficiente detalhes que vão desde o clima das cidades, onde as frotas circulam, até o preço praticado no mercado, garantindo ao cliente o melhor preço de acordo com a antecipação da sua compra, somos a opção mais barata e moderna do mercado.

A plataforma Embarca também utiliza a otimização de malha, que permite melhorar a entrega de produtos e serviços, reduzindo o número de quilômetros percorridos, alterando as rotas de acordo com a demanda, intervindo em tempo real para abertura ou fechamento de seções e redirecionamento das frotas. Além disso, usamos o sistema de escala inteligente, que otimiza a mão de obra e reduz custos para operadoras e clientes.

Outra novidade é o sistema para gestão de encomendas EmbarcaE que será lançado nas próximas semanas utilizando o bagageiro “ocioso” dos próprios ônibus. A iniciativa tem como objetivo, gerar maior rentabilidade às operadoras de transportes, além de reduzir custos para o cliente. Com a nossa solução estamos sempre cuidando dos três pilares: cliente, operador e motorista.

Technibus – Quais empresas operadoras trabalham em parceria com a Arca? 

Felipe Gulin – Dentre a lista de parceiros posso citar alguns nomes como a Viação União, Eucatur, Catedral, Expresso, Roderotas, Princesa dos Campos, Satélite Norte, Expresso, Santo Anjo e Grupo Garcia-Brasil Sul. Recentemente superamos a marca de 60 parceiros e ampliamos nossa atuação para todas as regiões brasileiras. O marketplace Embarca.Ai disponibiliza milhares de destinos aos clientes, oferecendo segurança e comodidade desde o momento da compra da passagem até o desembarque. Estamos investindo muito e pretendemos chegar a marca de 250 empresas até o final de 2022 cobrindo todo o território nacional e, brevemente, expandir para a América Latina.

Technibus – Como o senhor avalia o momento atual do processo de digitalização no setor de transporte de passageiros por ônibus? A pandemia acelerou esse processo?

Felipe Gulin – Com certeza a pandemia acelerou esse processo. Vale ressaltar que, mesmo sendo um dos principais setores estratégicos para a economia do país, o segmento de transporte encontra dificuldades para uma retomada financeira. De acordo com pesquisa divulgada pela CNT (Confederação Nacional do Transporte), mais da metade dos operadores de transportes rodoviários, acreditam não ser possível dizer quando o setor deixará de ser impactado pelos efeitos relacionados a Covid-19. 

Por isso, a digitalização é fundamental para expandir os negócios. Aqueles que sempre se posicionaram da maneira tradicional, notaram que as respostas que faziam sentido no passado, não são mais úteis hoje. Para nós, o foco é o desenvolvimento de soluções tecnológicas que auxiliam as operadoras de transporte a se tornarem cada vez mais competitivas e atraentes, aperfeiçoando sua jornada digital. A Arca soube aproveitar esse momento difícil, justamente por ter nascido durante a pandemia, somos fruto dessa digitalização e nos especializamos para transformar o setor de transportes.


Com o uso da plataforma digital Embarca, o cliente não precisa se deslocar até uma rodoviária para comprar sua passagem, tudo é feito no online, de forma rápida, prática e segura. Esse tipo de facilidade é essencial para a retomada financeira do setor, pois traz mais competitividade para as operadoras. Mesmo as empresas mais consolidadas e antigas do mercado precisam fazer essa migração para o digital, algo imprescindível para evitar queda nos negócios. 


Nossa missão é trazer inovação e competitividade para o setor, buscando oferecer praticidade e a melhor experiência para os clientes, desde a compra da passagem até seu desembarque.

Technibus – Como a digitalização deve afetar o setor? O senhor acredita em mudanças perenes na forma de viajar e de adquirir as passagens?

Felipe Gulin – Sim, acredito, a digitalização está no nosso DNA, mesmo a área de transportes sendo muito tradicional, nós já oferecemos novas experiências de viagens, temos, inclusive, a opção de compra de passagem pela internet para os clientes que não têm conta em banco, graças a parcerias com fintechs. Diante do cenário de incertezas, o investimento em tecnologia é crucial para se manter nesse mercado. Eu insisto em dizer que a digitalização das empresas é a principal chave para manter o negócio ativo em tempos tão difíceis, por isso cuidamos de tudo, da casa ao destino final do cliente. O nosso valor está voltado em aproximar essa expectativa dos clientes em realidades para os operadores. 

Por