Montadoras oferecem condições especiais para financiamento de caminhões e ônibus

As fabricantes de veículos pesados Mercedes-Benz, Volvo e Iveco buscam aquecer as vendas com taxas mais atraentes para modelos novos

O Banco Mercedes-Benz oferece até seis meses de carência para o financiamento de toda a linha de caminhões e ônibus Mercedes-Benz. Não há necessidade de entrada para o cliente pessoa jurídica. Para pessoa física, a entrada mínima é de 20%. A condição especial, válida em todo território nacional, vai até o dia 30 de abril e está disponível para as modalidades de crédito BNDES Finame TFB, CDC e CDC Decrescente, para prazos de até 60 meses, com pagamento da primeira parcela apenas sete meses após a compra do veículo. 

No caso do BNDES Finame TFB, o financiamento pode ser contratado apenas por empresas que comprovem receita operacional bruta de até R$ 300 milhões por ano. As condições são sujeitas à análise e aprovação de crédito pelo Banco Mercedes-Benz. 

“Queremos estar ao lado dos nossos clientes como um parceiro estratégico para apoiar seus negócios neste momento de incertezas, por isso estamos oferecendo até seis meses de carência para os transportadores e autônomos ganharem o fôlego necessário para se organizarem da melhor forma, sem deixar de colocar seus planos em prática”, afirma Diego Marin, diretor Comercial do Banco Mercedes-Benz.

A Volvo também dispõe, por meio do seu banco de fábrica, financiamento nos meses de abril e maio, por meio de linhas BNDES, como o Finame TFB, que é um financiamento pré-fixado, livre de qualquer oscilação do mercado, garantindo tranquilidade aos transportadores. Além da carência, que pode chegar até seis meses, o banco está operando com taxas que variam de 0,81% ao mês para prazo de 24 meses até 0,86% ao mês para financiamento de 60 meses. Estas regras são válidas até o final de maio.

“Esse é um momento em que todas as empresas buscam menor impacto possível no caixa. Além de taxas reduzidas, a carência de seis meses é uma grande ajuda aos transportadores que necessitam de novos caminhões, mas que precisam poupar recursos agora”, afirma Alcides Cavalcanti, diretor comercial de caminhões da Volvo no Brasil.

Além do Finame, o Banco Volvo também disponibiliza financiamentos CDC especiais, válidos apenas durante o mês de abril. As taxas variam de 0,84% ao mês até 0,89% ao mês. A carência pode ser de até seis meses e os prazos também são até 60 meses. “Tanto no Finame quanto no CDC estamos operando com condições muito especiais neste mês de abril, em apoio aos clientes da marca. Neste momento de incertezas, o financiamento via Finame pré-fixado do BNDES é uma ótima opção para os transportadores. Cada cliente pode avaliar a melhor alternativa para suas operações”, assegura Valter Viapiana, diretor comercial da Volvo Financial Services.

As condições de Finame são válidas até o final de maio próximo e as opções de financiamento via CDC até o final deste mês de abril. A concessão do financiamento está sujeita à análise e aprovação do crédito pelo Banco Volvo e de acordo com os requisitos do BNDES para acesso às linhas de financiamento na modalidade Finame.

A Iveco, marca da CNH Industrial, lançou condições especiais de compra para a aquisição da nova linha Daily no Brasil. Até o final de maio, o modelo pode ser 100% financiado com prazo de até 60 meses, taxas atrativas e com carência de até 180 dias para o pagamento da primeira parcela. 

“Acompanhamos o mercado e sabemos que o momento é desafiador para aqueles que precisam renovar a frota. Por isso abrimos a negociação e oferecemos o novo Iveco Daily com condições especiais para começar a pagar daqui a seis meses”, afirma Ricardo Barion, diretor comercial da Iveco. 

Marco Borba, vice-presidente da Iveco para a América do Sul, destaca que a empresa criou e distribuiu uma série de informativos para concessionárias sobre o Covid-19 com informações gerais, orientações sobre higiene e limpeza, além de protocolos de pós-venda. “Áreas estratégicas de suporte ao cliente seguem trabalhando em regime de teletrabalho, visando à proteção da saúde dos colaboradores e de toda a sociedade.” 

Por